Você está em: Home » Tendências & Mercado » A força pentecostal

Basta entrar em uma loja de artigos evangélicos para perceber a quantidade de CDs, DVDs, livros e bíblias de estudo direcionados ao segmento pentecostal. De tempos pra cá, o crescimento desse movimento tem chamado a atenção de teólogos, sociólogos e outros estudiosos, além de ganhar na mídia.

Segundo reportagem publicada pela Revista Veja, o aumento vertiginoso das igrejas denominadas pentecostais nos últimos anos indica que metade da população brasileira pode estar convertida aos cultos evangélicos em poucas décadas – um tempo bastante curto quando se fala no avanço de uma religião.

De acordo com artigo publicado pelo sociólogo Ricardo Mariano, professor de Pós-Graduação em Ciências Sociais na PUC-RS, a expansão pentecostal no Brasil não é recente nem episódica. “Ela ocorre de modo constante já há meio século, tornando-se o segundo maior grupo religioso do país, de acordo com o último senso do IBGE”.

“O Movimento Pentecostal nasceu das Igrejas Batistas, Metodistas, Presbiterianas e outras denominações, que acreditaram que os dons espirituais do Novo Testamento não cessaram na antiguidade. Ao contrário, acontecem na atualidade”, explica Pr. Isael de Araujo, responsável pelo Centro de Estudos do Movimento Pentecostal.

Ele conta em detalhes a trajetória do pentecostalismo no Dicionário do Movimento Pentecostal, lançado pela Editora CPAD. A obra possui 960 páginas, 1.051 verbetes com a definição dos principais termos e expressões, mais de 500 fotos históricas e a influência de países como Suécia, Noruega, Finlândia e Estados Unidos na igreja pentecostal brasileira. (À venda na Aliança para lojistas)

Para entender melhor

Não há como compreender esse fenômeno sem falar sobre a maior igreja do país. Com cerca de 12 milhões de membros, a Assembleia de Deus também é uma das mais antigas do país, próxima de completar 100 anos de existência.  Uma história que começou com a chegada dos suecos Gunnar Vingren e Daniel Berg em Belém, Pará.  A partir daí, a propagação foi crescente, motivando a criação de diversas manifestações artísticas, tanto na literatura quanto na música.

Na opinião do maestro Melk Carvalhêdo, um dos produtores de maior destaque no segmento, houve aspecto importante que ajudou a popularizar o estilo de louvor pentecostal. Segundo ele, ocorreu uma transformação no jeito de compor as letras, o que facilitou a difundir as canções. As músicas passaram a contar os episódios bíblicos com ensinamentos práticos, que simplificaram a compreensão, e assim caíram definitivamente no gosto popular. “Os compositores mudaram a estrutura narrativa dos hinos tradicionais. Isso aproximou a mensagem do público”, opina Melk.

Ele pode falar por experiência própria, afinal, já produziu álbuns que fizeram um enorme sucesso nas vozes de Vanilda Bordieri, Célia Sakamoto, Cristina Mel, Mara Lima, Damares, Suellen Lima, Andrea Fontes, Lauriete, Elaine de Jesus, Eliane Silva, Shirley Carvalhaes, Tony e Tito, Canarinhos de Cristo, Gerson Rufino, Noemi Nonato e Shirley Kaiser, entre outros trabalhos.

De olho nesta tendência, gravadoras passam investir neste gênero, que é um dos que mais cresce na atualidade. É o caso da Aliança, que ingressa em grande estilo levando até o público álbuns como Porção Dobrada 3, com Vanilda Bordieri e Célia Sakamoto; É Demais, reunindo 16 sucessos que retratam a carreira de Elaine de Jesus; e ainda o novo trabalho de Vanilda Bordieri. “Para todos aqueles que apreciam a boa música, fica a certeza de que a qualidade continuará fazendo a diferença. Daremos o nosso máximo para que sejam trabalhos com a marca de excelência da Aliança”, conclui o diretor Ricardo Carreras.

Mas afinal, qual é o segredo para que o pentecostalismo tomasse a dimensão que possui hoje? Para Alderi Souza de Matos, doutor em História da Igreja pela Boston University School of Theology, o movimento pode ser considerado o fenômeno recente mais revolucionário do cristianismo. “Isso se dá por alguns fatores, principalmente pela presença maciça das igrejas no rádio, televisão e na mídia em geral”, afirma o professor de História da Igreja no Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper, ligado ao Instituto Mackenzie.

Além disso, há outro elemento menos racional que precisa ser levado em conta. Talvez, a resposta para tamanha adesão esteja nesse jeito emotivo, caloroso, sentimental, extremamente crédulo e fervoroso do brasileiro. Traços tão bonitos, que ajudam a construir a identidade de um povo que não desiste nunca.

Curiosidade

A perseverança sempre foi uma característica dos missionários estrangeiros, que iniciaram o movimento pentecostal no Brasil. E eles ensinaram bem a lição. Há um exemplo curioso: parece ter sido com a mesma obstinação que Lídia Nelson, uma das precursoras da Assembleia de Deus, tornou-se a primeira mulher a conseguir uma habilitação de motorista no Estado do Pará.

Você sabia?

O termo pentecostal faz referência ao Dia de Pentecostes, quando, de acordo com o relato bíblico, o Espírito Santo apare aos apóstolos na forma de línguas de fogo. Grosso modo, distingue-se do protestantismo histórico por pregar a crença na contemporaneidade dos dons do Espírito Santo, entre os quais se destacam os dons de línguas (glossolalia), cura e discernimento de espíritos, e por defender a retomada de crenças e práticas do cristianismo primitivo, como a cura de enfermos, a expulsão de demônios, a concessão divina de bênçãos e a realização de milagres.

Leia a versão impressa:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


Um Comentário

  1. alelua eu sou pentecostal ate o tutano e amei essa materia que deus continue abençoando as nossas igrejas assembleias de deus em todo teritorio brasileiro e a todos os homens e mulhres de deus que estar pregando a sua palavra que deus abençoe..

Deixe seu Comentário

© 2017 APD News – O canal de informação da Aliança. Todos os direitos reservados.